Exposições Temporárias

OSGEMEOS no Museu do Pontal

31 de Janeiro de 2015 a 31 de Dezembro de 2017

O encontro da arte contemporânea com a arte popular. E de maneira definitiva. Foi inaugurada neste sábado, 31, no Museu Casa do Pontal, a instalação “O bunker”, de OSGEMEOS. A obra, feita especialmente para o museu, é a primeira dos irmãos Otávio e Gustavo Pandolfo que ficará permanentemente no Rio de Janeiro. As atividades começaram com um bate-papo dos artistas paulistas, mediado pela curadora e diretora do Museu, Angela Mascelani, e por Paulo Portella, realizado na GVB Galeria de Arte. O público lotou a galeria para acompanhar o bate-papo, que também foi acompanhado por um telão nos jardins do museu. Para encerrar as atividades, o show do cantor e compositor Siba animou o público. Ao todo, cerca de mil pessoas estiveram no museu durante todo o evento.

– A gente está muito feliz de ter começado 2015 com essa obra, uma parceria muito especial com o Museu do Pontal e um propósito muito importante. Poder misturar o nosso trabalho com a arte popular brasileira, que é uma grande paixão nossa, e poder dividir isso com as pessoas de uma forma bem diferente – dizem OSGEMEOS.

A instalação ficará nos jardins do Museu Casa do Pontal e apresenta elementos escultóricos, arquitetônicos e de pintura. A obra tem uma parte externa de concreto e uma escultura no interior, que foi pintada com uma tinta especial para suportar o calor e o fio. Segundo OSGEMEOS, a obra tem diversos propósitos, como questionar, alertar, dialogar e, também, divertir.

– Tem o propósito de perder o medo, de enfrentar, esse é o papel da arte. E também o de proteger. É muito do que a gente viu e aprendeu visitando o museu, conhecendo a história do local e dessa região, o propósito do museu, por que ele existe, como ele nasceu, e isso tem muito a ver com o nosso trabalho, de ter esses diversos leques, um deles a arte urbana. A nossa instalação no museu tem muita coisa que se encaixa – afirmam OSGEMEOS.

Segundo a curadora e diretora do Museu Casa do Pontal, Angela Mascelani, a instalação de OSGEMEOS vai possibilitar a discussão sobre o papel transformador da arte.

– A ideia de realizar essa parceria com OSGEMEOS foi a de trazer para o centro do debate o papel transformador da arte e sua capacidade de mudar formas de ver e de antecipar questões. No caso, OSGEMEOS trazem para o Museu Casa do Pontal uma proposta intencionalmente crítica. Confrontá-la com a arte popular, que nasce na transição do rural para o urbano, é uma forma de discutir a cidade. Eles são artistas sérios, com muita consciência e um respeito enorme pela cultura brasileira e pela arte popular. Estamos muito felizes de fazer esse trabalho com OSGEMEOS.

SINERGIA

De acordo com o cantor e compositor Siba, espaços como o Museu do Pontal possibilitam a discussão sobre a cultura brasileira. O artista também já teve uma parceria com OSGEMEOS, que assinaram a cenografia e direção artística de seu CD/DVD “Toda vez que eu dou um passo o mundo sai do lugar”, lançado em 2008. 

– Estou muito feliz de ter o privilégio de participar desta inauguração. Trabalhar com OSGEMEOS foi inspirador para mim. O Museu Casa do Pontal reúne um acervo incrível de arte popular e a obra de OSGEMEOS dialoga com esse acervo. Estou muito feliz de ter sido lembrado entre tantos outros artistas que poderiam estar aqui – diz Siba.

MUSEU CASA DO PONTAL

A instalação ficará nos jardins do museu e a sua visitação será gratuita. O Museu Casa do Pontal funciona de terça-feira a domingo – de terça a sexta-feira, das 9h30min às 17h, e aos sábados, domingos e feriados, das 10h30min às 18h. O endereço é Estrada do Pontal, 3.295, no Recreio dos Bandeirantes. Quem quiser pode conferir a exposição permanente do espaço. O ingresso custa R$ 10 e estudantes e idosos pagam meia. Mais informações estão disponíveis no www.museucasadopontal.com.br.

Considerado pelos turistas que vieram ao Brasil durante a Copa das Confederações como um dos principais museus do país, segundo uma pesquisa da Embratur, o Museu Casa do Pontal está em atividade há mais de 35 anos e reúne o maior acervo de arte popular brasileira. Seu acervo, tombado pela Prefeitura do Rio como referência cultural da cidade, é composto por mais de 8.500 peças de 200 artistas brasileiros, produzidas a partir do século XX.

Em dezembro, o Museu Casa do Pontal foi escolhido para representar o Brasil no Comitê para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Unesco, que avalia as candidaturas a Patrimônio Imaterial da Humanidade, título recebido recentemente pela Roda de Capoeira brasileira. Atualmente, o Museu conta com o patrocínio institucional da Vale, da IRB-Brasil Re e da Petrobras e a parceria institucional do IBRAM, do Ministério da Cultura e da UNESCO.