Arte Incomum

As artes do imaginário, também denominadas arte incomum, arte fantástica ou arte bruta, são conceitos usados para classificar as obras que parecem ter nascido dos mistérios e verdades profundas da psiquê humana e à margem dos cânones artísticos. Começaram a ser identificadas com Jean Dubuffet, em fins de 1940, num contexto de recusa à cultura asfixiante do establishment, o sistema oficial das artes. Na arte popular brasileira, são muitas e surpreendentes as criações que se incluem nesse gênero, no qual realismo e fantasia se misturam em grandes doses. Encontramos tanto autores que inventam temas nunca antes pensados, como o ceramista Manoel Galdino (PE) e seu “Lampião-sereia”, quanto outros que tratam os temas universais de maneira absolutamente original, como Antônio Poteiro (GO) e sua obra “Torre de Babel”.

Angela Mascelani

OBRAS
  • Girafa com homem no pescoço
  • Piquenique
  • Guerreiro
  • Placa
  • Barco com duas cabaças
  • Macacos e leões nos galhos
  • Porta bandeira
  • cachorro-caçando-gato
  • Máscara
  • Roda
  • Carranca de cavalo homem
  • Máscara
  • Santo Antônio caminhante
  • Carregando criança
  • Máscara com três rostos
  • Sapo
  • Casarão entre o mar e a serra
  • Monstro com calango na boca
  • Sinaleiro do Laurentino
  • Cavalo na fazenda
  • Monstro pequeno
  • Sinaleiro do vento
  • Cidade tentacular
  • Moringa de três cabeças
  • Conselho de animais
  • Mulher com cabelos cacheados
  • Crepúsculo na praia
  • Mulher com coroa
  • Mulher com placa na mão
  • Entalhe de um casamento
  • Mulher de cabelos pretos
  • Escultura rosa encimada por pássaro
  • Figura fantástica comendo animal
  • Navio negreiro com plumas
  • Adorando o boi
  • Passista

A exposição "Máquinas Poéticas" promoveu o encontro da obra de Abraham Palatnik, pioneiro da arte cinética no Brasil, e dos artistas populares Adalton Lopes, Laurentino, Nhô Caboclo e Saúba, a partir da temática do movimento. A mostra – com curadoria da antropóloga Angela Mascelani, diretora do Museu, e de Afonso Henrique Costa, integrante do Conselho da instituição – inaugurou uma série de diálogos entre a arte popular e a arte contemporânea no Museu Casa do Pontal.

In the so-called imaginary or unusual arts, we stress the subjective nature of the artist, his dreams, fantasies and fears. These creations seem to be born of an intense and sometimes disturbing internal debate, whose meanings are not always accessible. It is through the perspective of the creation of original works that the works of some folk artists are identified as unusual art. Included in this group are artists like Manoel Galdino and Nhô Caboclo (PE), Ulisses Pereira Chaves and Geraldo Telles de Oliveira (MG), Nino (CE) and Antônio Poteiro (GO).

Nas artes conhecidas como "do imaginário" ou "incomum" a ênfase recai sobre a subjetividade do artista, seus sonhos, tormentos e devaneios. As criações parecem nascer de um intenso e, às vezes, perturbador debate interno, cujos sentidos nem sempre estão acessíveis ao público. É pelo viés da  criação de obras originais que alguns artistas populares têm suas obras identificadas como arte incomum. É o caso de Manoel Galdino e Nhô Caboclo (PE), de Ulisses Pereira Chaves e Geraldo Telles de Oliveira (MG), de Nino (CE) e de Antônio Poteiro (GO).

Páginas