TEMAS RELACIONADOS

LOCALIDADES RELACIONADAS

ARTISTAS RELACIONADOS

Trabalho no campo

Em sua maioria, os artistas populares começam cedo o aprendizado profissional, auxiliando os pais nos serviços de olaria ou marcenaria. Os primeiros, colaborando na feitura de louças, panelas e vasos; os últimos, na construção de casas ou confecção e conserto de móveis, portas e outros materiais necessários à lida cotidiana na lavoura, nas fazendas e nas cidades. As meninas tanto auxiliam nos afazeres domésticos como na roça, onde cultivam alimentos que serão consumidos pela própria família. Também iniciam-se, ainda crianças, na modelagem.

OBRAS
  • Galo
  • Ordenha
  • Peneirando café
  • Abate de boi
  • Alimentando galinhas
  • Amarrando o rabo do boi
  • Cavaleiro
  • Cortando lenha
  • Lavoura
  • Matança
  • Ordenha

To commemorate the one hundredth anniversary of the birth of Vitalino Pereira dos Santos, Mestre Vitalino, the Museu Casa do Pontal and the Pierre Verger Foundation presented 81 pictures of the artist, made by French researcher and photographer Pierre Fatumbi Verger. The exhibit also included a selection of sculptures from the Museum Casa do Pontal.

Com o objetivo de celebrar o centenário de nascimento de Vitalino Pereira dos Santos, o ceramista Mestre Vitalino, o Museu Casa do Pontal e a Fundação Pierre Verger apresentaram 81 imagens do artista, feitas pelo fotógrafo e pesquisador francês Pierre Fatumbi Verger. A mostra incluiu ainda uma refinada seleção de esculturas do acervo do Museu Casa do Pontal.

In its early stages the sculptures revealed a virtual inventory of rural occupations, allowing us a look of the customs, the kind of work and the cultural and religious values prevalent in rural life. Planting, harvesting, care of the livestock, transportation, festivals and festive occasions and religious rituals are but some of the themes that are shown in this section. During time that this type of art reached the public (from mid-twentieth century onwards), the characteristics of rural and urban life were being completely transformed. Beginning in the 1950s, when only 30% of the population lived in urban areas, a massive process of rural-urban migration occurred with masses of people leaving the backlands headed for the cities. It was in the same period, that this genre of art gained momentum. Perhaps as a result, both artists and craftsmen as well as the consuming public noted a dual interest characteristic of periods of change: a nostalgic view of the rural way of life and at the same time, a fascination with the new urban life style stemming from industrialization and migration.

Nos seus primórdios, as esculturas apresentam um verdadeiro inventário das ocupações rurais, que nos permitem entrever os costumes, os tipos de trabalho e os valores culturais e religiosos prevalentes na vida do campo. Plantio, colheita, cuidado com os animais, meios de transporte, encontros festivos, rituais religiosos são alguns temas que aparecem neste setor. No período que esse tipo de arte ganha projeção pública, de meados do século XX para cá, as fronteiras entre os universos rural e urbano estão em plena transformação. Pois é a partir da década de 1950, quando apenas 30% da população brasileira residiam nas áreas urbanas, que se intensifica no país um processo massivo de saída do campo em direção às cidades. Neste mesmo período, esse gênero de arte ganha impulso. Talvez por isso, nota-se tanto entre os artistas e artesãos como entre o público consumidor, um duplo interesse, próprio dos períodos de mudanças: pelas referências nostálgicas ao modo de vida rural e, simultaneamente, pelas novidades advindas da industrialização e do estilo de vida citadino. Angela Mascelani
Vitalino Pereira dos Santos, Mestre Vitalino, é uma figura emblemática na arte popular brasileira. Nasceu em 1909, na vila de Ribeira dos Campos, próximo ao Alto do Moura, em Caruaru (PE). Criado em um ambiente oleiro, desde cedo começou a modelar boizinhos e outros brinquedos, que eram vendidos na feira local. Foram as suas esculturas que despertaram a atenção dos grandes centros urbanos para o vasto território da criação plástica popular. Apresentado ao grande público em 1947, numa exposição coletiva organizada no Rio de Janeiro, na qual eram mostradas obras de artesãos e artistas populares pernambucano, Mestre Vitalino tornou-se uma das principais figuras do mundo da arte popular, então pouco divulgado. Sobre ele, foi contada uma série de histórias, muitas das quais adquiriram dimensões quase míticas. Isso possibilitou que se conhecesse e se abordasse a dura realidade do sertanejo nordestino da década de 1940 por um novo caminho, até então impensável: a partir de seus principais atores e pela via das artes. Vitalino é conhecido como mestre por seu virtuosismo e pela liderança que exerceu entre os demais ceramistas de sua localidade. Faleceu no dia 20 de janeiro de 1963, vitimado por varíola, em sua residência, aos 53 anos de idade. Angela Mascelani

Páginas